O mundo vive de modas e tendências, e Node.js pode ser ambas e nenhuma delas ao mesmo tempo, complicado? Não é, pois Node.js é muito mais que uma moda ou tendência, ele é realidade.

Há e sempre existirão aqueles que negam, que estão confortáveis ou ocupado demais trabalhando em sistemas legados, ou estão querendo surfar outras ondas. Para esses, a febre por Node.js irá passar, assim, como está passando a por Rails.

Porém saindo da caixa, o mundo lá fora é complexo, e Node.js já está fazendo uma marca no universo…

A realidade

Antes de mais nada, é muito, mas muito importante levar dois fatos em consideração sobre Node.js:

  • JavaScript é a linguagem do presente e do futuro, o que você pode entender por próximos 5 anos, pelo menos. O motivo? Simples, ele roda no seu celular e no seu notebook/desktop, e até no seu futuro VR. O que resulta que o trabalho de portar uma aplicação de uma plataforma para outra, seja menos custoso, ou até não tenha custos (exemplo: sites responsivos);
  • Ele está sendo suportado por grandes empresas, e quando falo grandes, falo tanto de empresas que são inspiração para start-ups (Netflix e Paypal, por exemplo), como para grandes empresas, que quando você diz que a IBM e Microsoft estão suportando Node.js, a desconfiança some na hora.

Esses dois fatos são o pilar para o estrondoso e rápido crescimento, e até digo, consolidação do Node.js, como opção para boa parte dos novos projetos server-side.

Na Vizir observamos esse crescimento desde 2013, e a cada ano que vem passando, o crescimento continua, e novos projetos são entregues com Node.js, sendo por iniciativa nossa, ou até de nossos clientes, alguns grandes empresas.

Consolidação

Falamos do crescimento, mas algo que aconteceu principalmente no último ano, foi a consolidação da plataforma, ajudada pelo lançamento da primeira versão com longo suporte (long-term support LTS), algo que para quem já estava trabalhando com Node, não fez grande diferença. Mas aqueles que estavam ainda com receios, é mais um motivo para perdê-los.

Do ponto de vista do desenvolvedor, as novas funcionalidades vindas com o ECMAScript 2015 já estão disponíveis, e está ajudando a criar aplicações mais fáceis de se manter, e estabelecendo novos padrões de código. Fora que a quantidade de referências só cresce, o que está ajudando a comunidade ganhar maturidade, afinal esse foi e ainda é um grande receio, uma vez que JavaScript era aquela linguagem que você “sabia”, por copiar código do Stack Overflow para fazer algum Ajax ou animação com jQuery.


Por que não Node.js? Essa é a nova pergunta, e está cada vez mais difícil de respondê-la, quando é preciso criar o back-end de aplicações web/mobile.