Nos últimos anos, mais e mais projetos foram desenvolvidos em Angular. Hoje em dia é o framework front-end dominante e o Google não pretende perder esse posto. Já se passaram 21 meses desde que anunciaram a nova versão do framework e estamos muito perto da chegada da versão Beta do Angular 2. E, claro, começam a surgir a pergunta “Está na hora do meu projeto se desenvolvido em Angular 2?”.

Primeiro, as mudanças.

Angular 2 não será uma mera atualização. As mudanças são tão drásticas que aplicações em Angular 1 não serão compatíveis. Mudança na sintaxe, fim do $scope, controller e ViewModels, components se torna o centro do framework, troca de AtScript para TypeScript e necessidade de ECMA 6.

 

Algumas mudanças podem agradar os desenvolvedores, mas aplicações em Angular 1 não serem compatíveis com a nova versão não agradou a comunidade. Após tantas reclamações, duas iniciativas surgiram para ajudar nessa transição, ngUpgrade e ngforward, mas ambas exigem um trabalho que os desenvolvedores não gostariam de ter.

 

O que são ngUpgrade e ngforward?

Ambos são iniciativas para ajudar na migração. ngUpgrade é o mecanismo de migração que o Google criou que deixa você rodar códigos do Angular 2 em aplicações feitas em Angular 1. Já ng-foward foi criado pela comunidade para deixar que você escreva códigos parecidos com Angular 2 no Angular 1, mas ainda não usa ng2.

 

Concorrência:

Ao contrário da época que o Angular.JS foi lançado, atualmente o mercado de frameworks front-end está bem mais competitivo. Javascript ganhou muita força nesse meio tempo e outras empresas e a comunidade lançaram competidores à altura. React.JS pelo Facebook, Vue.JS e o Aurelia, idealizado por Rob Eisenberg, que fazia parte do time principal do Angular.

 

Por ter passado tanto tempo em desenvolvimento, Angular 2 permitirá que seus concorrentes já estejam mais amadurecidos e com a comunidade com uma propensão à troca. Já que será preciso uma boa quantidade de horas para atualizações das aplicações de Angular 1 para Angular 2.

 

Já devo usar Angular 2 então?

Boa parte das necessidades das aplicações atuais ainda são atendidas pelo Angular 1. Se pensarmos em aplicações enterprise que só agora começaram a usar Angular 1, fazer tal migração fica, praticamente, impossível.

 O grande fator que pesa contra o Angular 2 é a incompatibilidade com a versão anterior e a demora excessiva para o lançamento da nova versão.

O momento do Angular 2, mesmo chegando a versão beta para uso, é de experimentação. Aprender melhor a sintaxe (TypeScript, Decorators, etc.) e as mudanças e ver quais possibilidades se abrem à partir de agora. Vale para projetos pequenos e pessoais. Para um projeto corporativo ou com importância no longo prazo, esperar um pouco o framework ganhar tração não faz mal nenhum.